Feeds:
Posts
Comentários

Assim, feliz!

Porque já ha um bom tempo que eu me sinto feliz por nada. Sem motivo aparente. Sem grandes realizações. Mas com as coisas simples de cada dia. E isso agora é como um exercicio diário. Buscar a leveza, o alegre, as palavras doces, as músicas que me acalmam e que aqueçam. E não sei como, mas é como se meu coração tivesse se acalmado. Isso não quer dizer que eu não fico estressada, que eu não fico triste, que as coisas não me aborrecem. Quer dizer que tem sempre uma coisa que vai além. E a consciência que tudo passa. Não existe sofrimento e nem momentos ruins que durem pra sempre. A certeza que sigo meu caminho sem fazer maldade, sem trair confianças, e de sempre elogiar as pessoas quando acho que mereçam, e de ficar imensamente feliz com elogios (eu adoro e acredito em todos!) e com sorrisos amáveis.

Anúncios

Me enchendo de mim!

“Sabe, mas eu não tenho nada pra dar agora a não ser minha amizade, minha companhia, minhas risadas,  minhas palavras, que sempre são sinceras. É, eu to me enchendo de mim, e quando eu tiver transbordando, eu vou me dar. Mas eu não sei quando isso vai acontecer. E esta bom assim, me sinto um veleiro num mar liso do Caribe”.

Muro de lamentações

O que eu tenho a essa hora a não ser a internet? Parei algumas vezes hoje para não escrever em diferentes redes sociais o quão sozinha eu me sinto. E o único espaço que acho adequado pra mim, de falar disso, é neste meu diário online, e tbm público.

Não vejo com bons olhos as lamentações das pessoas via internet. Todos nós temos problemas, mas empurrá-los para frente contando para todos é uma forma de dar mais poder ainda as causas lamentadas.

Por isso, eu não vou me utilizar de facebook, twitter, msn e orkuts (este último já morto) para lamentações. Acho que isso é apenas uma TPM intempestuosa que sem mais, nem menos, tbm vai-se embora.

Primeiro vem a ideia

A maioria das pessoas só querem ser felizes. Mas a maioria delas não faz ideia do que precisa pra ser feliz. Eu mesma tbm não sei. Mudo de ideia sempre sobre o que me faz feliz. Mas somos assim. Eu passei metade da minha vida querendo um namorado. É claro que os tive nesse período. Mas nenhum chegou perto de atingir este coração frio.

Mentira, não é nenhum pouquinho frio. Mas eu achava que era. Por que? Porque eu não sabia que tipo de homem era capaz de realmente de fazer feliz. Até que descobri. E quando eu descobri eu puder procurar nos homens que conheci, o homem que faria eu me apaixonar e amar de verdade. E quando eu descobri que características (não físicas, que fique claro) este homem tinha que ter, eu o encontrei.

Por isso, antes de qualquer coisa, precisamos descobrir aquilo que nos faz feliz. Eu usei o exemplo de meu namorado, para dizer que primeiro eu tinha a ideia do que eu queria, do que eu precisava para ser feliz, e depois eu consegui achar o que eu queria no mundo. Primeiro tem que vir a ideia.

Por isso, eu grito, falo, repido e sussurro. Vamos primeiro descobrir quem somos. Vamos primeiro parar e escutar as batidas de nosso coração. Vamos primeiro olhar pra dentro da gente. É isso que estou sempre tentando fazer, para conseguir ser mais feliz.

Essa é a primeira vez em minha vida em que não tenho emprego. To fazendo trabalhos freelancer e estou passando muito tempo trabalhando em casa. Nunca tinha tido esta experiência de não ter que sair  e me encontrar com um grupo de pesssoas, trabalhar o dia todo ao lado delas e depois voltar para casa.

Agora eu acordo, ligo meu computador, depois tomo café. As vezes dou uma volta de bicicleta no calçadão a beira mar e depois volto para casa e começo a labuta. Sozinha. É verdade que não ter ninguém pra encomodar e cobrar é maravilhoso. Ser seu próprio chefe tbm. Quanto ao trabalho eu realmente não tenho o que reclamar.

Mas como ser humano que sou, demasiadamente humano, eu reclamo de não conviver com ninguém. Passo o dia inteiro conversando apenas através do MSN, e como a maioria das pessoas tem colegas presenciais para conversar, não dão tanta atenção quanto eu pela conversa e muitas vezes me pego falando sozinha. Não obtenho respostas.

E ai, chega essa hora da noite, depois de passar o dia só, eu quero sair. Mas como estou namorando a um bom tempo e definifivamente não sou a pessoa mais social do mundo, tenho poucos amigos. E pra piorar um pouco as coisas eu e meu amor só nos vemos nos finais de semana, porque eu quis assim. E ai, aqui estou eu sozinha.

E eu me pergunto, quando foi que eu resolvi me guardar do mundo e não querer me dividir com as pessoas de tal forma a quase não ter amizades na minha cidade? Eu tenho amigas maravilhosas, mas elas moram em outras cidades e as vejo bem menos do que gostaria. Mas tbm não faço grandes esforços para promover os encontros.

E por isso que me pergunto ainda mais uma vez. Quando foi que eu quis parar de me dividir e ficar me acumulando? O que eu tenho medo de perder? O que eu tenho medo de dar?

Antas do Pantanal

“E a inteligência emocional, quando falta, pode levar um gênio da matemática agir como uma anta do Pantanal.”

Esta frase é um trecho do livro da Fernanda Young, “O Pau”. Faz muito sentido pra mim essa frase, devido a momentos de perdas que tive.

Não sou boa em perder. Nunca fui. Sempre fui do tipo de pessoa que ganha coisas e não que perde. E por mais que eu tente me convencer que eu ganhei um monte de coisas, por exemplo: muitos momentos de felicidades, a capacidade de amar, não sentir medo, andar leve por ai, ter momentos bons com pessoas boas, conhecer também gente ruim e aprender com elas como não se vive, conhecer gente infeliz e perceber que dá muito bem pra viver sem elas.

Bom, fazendo essa avaliação agora e repensando as coisas, percebo que ganhei, porque na verdade eu estava só vivendo. E viver é isso. Mas, mesmo assim, ainda me entristece não poder mais viver com essas pessoas, porque são pessoas muitíssimo inteligentes, com quem eu compartilhei um época moderável de minha vida. E que eu queria muito continuar compartilhando. Mas, onde falta a inteligência emocial, eu não consigo viver, ainda não aprendi a entender e respeitar uma anta do Pantanal…

Risada

Rir é sempre o melhor remédio.

E hoje eu dei muita risada. Como é bom pra aliviar o espírito. Gargalhadas sonoras e altas, risadas de todos os tipos, daquelas que meus amigos sempre riem de mim. Risos de chorar e de doer muito à barriga. De doer tanto à barriga que você tem sensação de estar fazendo abdominal. E fica feliz com isso, quem não precisa. Rir da própria risada e da dos seus amigos. E rir junto de coisas bem diferentes.

Como a risada deixa a vida melhor. Por isso sempre prefiro rir. Eu sou a alegria das pessoas sem graça. Adoro piada sem graça, sempre dou muita risada. Adoro gente que tem humor. Se não quer que eu gargalhe, em qualquer lugar, não me fale coisas engraçadas. Porque eu não sei me controlar. Às vezes lembro de coisas engraçadas e me mato de rir sozinha. E rio centenas de vezes da mesma coisa, da mesma piada. Esses dias lembrei de uma coisa engraçada que um amigo falou e mandei um depoimento pra ele com a frase. E hj ele mandou um pra mim dizendo que sentia falta de minha risada e de minha alegria.

Rir muito pode ser considerado um pouco patético. A alegria as vezes é chamada de insana. Vulgar. Quando, é, na verdade, um dos sentimentos mais nobres da vida.

Como dizia o Vinícius de Moraes:

“É melhor ser alegre que ser triste, a alegria é melhor coisa que existe”.